De que está à procura ?

franca
Lisboa
Porto
Paris, França
Portugal

António Costa admite demitir-se se Orçamento para 2019 não for aprovado

O líder do PS admitiu que sem Orçamento para 2019 a queda do Governo “é inevitável”, um cenário que recusa, e afirmou, numa entrevista ao DN, que não tem vontade de pedir maioria absoluta nas legislativas.

À frente de um Governo do PS desde 2015, com o apoio parlamentar da esquerda (PCP, BE e PEV), António Costa disse olhar com otimismo para um acordo para o Orçamento do Estado para 2019, esperando não estar a ser um “otimista irritante”, como lhe chamou o Presidente da República.

“Não tenho nenhuma razão para pensar que em 2019 não vamos ter o Orçamento aprovado quando temos o de 2018, 2017, 2016”, afirmou Costa, repetindo esta ideia pelo menos mais uma vez ao longo da entrevista ao DN, dias depois de, em entrevista ao Público e à RR, Marcelo Rebelo de Sousa ter admitido o cenário de eleições antecipadas se a maioria que apoia o Governo não se entendesse no próximo Orçamento.

O secretário-geral socialista e primeiro-ministro explicou que o executivo e os partidos de esquerda aprenderam, nos últimos anos, a negociar o orçamento, “em que cada um afirma as suas posições”, numa “base muito leal, muito construtiva, com um esforço de todos para aproximar posições”.

“[Mas] é evidente que no dia em que esta maioria não for capaz de produzir um Orçamento, esse é o dia em que este Governo se esgotou e, inevitavelmente, isso implica a queda do Governo”, disse.

O cenário de falhanço é algo em que diz não acreditar, recusando governar com duodécimos, e até cita, na entrevista, uma frase dita pelo líder do PCP, Jerónimo de Sousa: “Como costuma dizer o PCP, enquanto houver caminho para andar vamos caminhando, e é isso que vamos fazer.”

“Não há-de ser seguramente em 2019 que nós iremos frustrar a esmagadora maioria dos portugueses, que está satisfeita com o Governo, satisfeita com esta solução política, satisfeita com os resultados sociais e económicos desta governação”, concluiu.

A menos de duas semanas do congresso nacional do PS, na Batalha, distrito de Leiria, Costa é ainda questionado sobre se pedirá ou não maioria absoluta nas eleições previstas para 2019, afirmando que não é por a pedir que “a tem ou que a deixa de ter”

“Um PS fraco não permite uma solução política como aquela que temos atualmente, porque é este equilíbrio de forças que tem permitido que possamos equilibrar os diferentes objetivos que temos de prosseguir”, afirmou.

E deu os exemplos, como “eliminar a austeridade e consolidar as finanças públicas, assegurar o crescimento dos rendimentos e a produtividade da economia, atrair o investimento e desenvolver a proteção dos direitos dos trabalhadores, diminuir a dívida e investir nos serviços públicos”.

Se tivesse maioria absoluta, António Costa insiste que manteria o diálogo com PCP, BE e PEV, por se tratar de uma “fórmula de solução política” com virtualidades que “não são a mera aritmética parlamentar”.

“Tem virtualidades na dinâmica social, na dinâmica da vida democrática, na forma como o conjunto do país hoje olha para a Europa”, afirmou.

A segunda parte da entrevista ao primeiro-ministro e líder do PS, feita pelo diretor, Ferreira Fernandes, e Paulo Tavares, diretor adjunto, será publicada no domingo.