De que está à procura ?

franca
Lisboa
Porto
Paris, França
Colunistas

Crianças

Eu não consigo falar em crianças sem me comover, especialmente em momentos de sofrimentos…

As crianças pertencem a eles próprios e são cidadãos portugueses, não pertencem aos pais. Os pais são os seus tutores, e no dia que não consigam desempenhar a função com o mínimo de sucesso, o Estado retira-lhes a guarda dos seus filhos.

Acontece que nos últimos tempos temos visto imagens de crianças separadas dos pais e enjauladas junto à fronteira dos EUA. O crime que os pais cometeram foi o de quererem ter uma vida melhor para eles e para a sua família, foi o de correm riscos por causa disso. E então, os filhos são separados dos pais e depois logo se vê o que acontece!

Isto vindo de um país que se transformou na maior potência económica mundial, onde todos os que lá estão, com excepção dos índios, são descendentes de pessoas que, no fundo, procuraram um futuro melhor em terra alheia incomoda-me bastante. Qual é a diferença de um fulano ter ido para América do Norte em 1600 e outro que decidiu ir em 2018? A única diferença é que o último a ir vai preso e a sua família vai ser separada pelos descendentes do fulano que foi em 1600.

É este o tipo de sociedade que queremos? Crianças a morrem afogadas no Mediterrâneo, crianças a serem enjauladas nos EUA, é isso que reflecte o nosso sentimento de segurança e conforto?