De que está à procura ?

franca
Lisboa
Porto
Paris, França
Lifestyle

Estudo português revela importância do crescimento até aos três anos

 Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), recentemente publicado na revista ‘Bone’, concluiu que o período de crescimento entre o primeiro e terceiro ano de vida é “fundamental para a qualidade óssea”.

Em declarações à Lusa, Teresa Monjardino, primeira autora do estudo, explicou que a investigação teve como objetivo “perceber se durante o período inicial de vida havia algum momento do crescimento que fosse mais sensível para a qualidade óssea” das crianças.

O estudo recorreu por isso a dados de cerca de 1900 crianças da coorte Geração XXI (um estudo longitudinal que segue 8600 crianças da Área Metropolitana do Porto) e avaliou o seu crescimento entre o 1.º e 6.º ano de vida e a qualidade dos seus ossos aos sete anos de idade.

Além de dados presentes no Boletim de Saúde Infantil sobre o peso, comprimento e altura destas crianças, os investigadores realizaram ainda um exame de absorciometria de raio-X de dupla energia (DXA) quando estas tinham sete anos para “apreciar a qualidade dos seus ossos”.

“Traçamos uma trajetória de crescimento, identificamos as idades mais importantes e concluímos que eram os 12 meses e três anos”, disse Teresa Monjardino, adiantando que “geralmente, as crianças que crescem mais, em peso e altura, em qualquer uma destas fases, têm melhores propriedades ósseas”.

Segundo a investigadora, a “alteração da gravidade” poderá ser, além da alimentação (fator que não foi considerado neste estudo), uma das razões que justifica a importância deste período para a qualidade óssea, na medida em que as crianças começam a aprender a caminhar e a estar em pé.

“Quando há esta alteração da gravidade, as crianças crescem também mais em peso e tamanho, o que faz com que tenham melhores propriedades ósseas”, afirmou.

À Lusa, Teresa Monjardino adiantou que com os resultados obtidos com esta investigação, publicada a 03 de julho na revista ‘Bone’, é fundamental que os pais estejam “atentos”, assim como os médicos que acompanham as crianças.

“É importante fazer-se a monitorização do crescimento e perceber se pode haver qualquer alteração ao crescimento que possa ter, entre outras consequências, implicações no osso”, concluiu.