De que está à procura ?

franca
Lisboa
Porto
Paris, França
Comunidades

Maioria dos trabalhadores de sexo trans portugueses estão emigrados

Os Trabalhadores de Sexo Trans (TST) são migrantes por opção, trabalham fora do país para preservar a identidade e a família e para ganhar mais dinheiro, disse à Lusa Fernanda Belizário, da Agência Piaget para o Desenvolvimento (APDES).

Na véspera da apresentação, no Porto, das conclusões do projeto TransR – Trans Sex Workers Rights are Human Rights (Os Direitos do Trabalhadores do Sexo são Direitos Humanos), cofinanciado pela União Europeia no âmbito do Programa Direitos, Igualdade e Cidadania, a Lusa falou com a coordenadora do projeto que reúne mais quatro países.

Sob a coordenação da APDES, estiveram também envolvidos no projeto a Hetaira (Espanha), Lefö (Áustria), MIT (Itália) e Positive Voice (Grécia), informou a responsável.

E de um trabalho começou no início de 2017 e estará concluído no final deste mês e que “visou contribuir para o reconhecimento e proteção dos direitos fundamentais das pessoas TST”, Fernanda Belizário fez a radiografia de uma comunidade que “cuja série de especificidades que possui lhe causa vulnerabilidades no acesso à saúde e ao processo migratório”.

“A maior parte desta população é migrante, sejam fora da Comunidade Europeia ou dentro dos países”, explicou a coordenadora.

“Os portugueses TST normalmente vão trabalhar para o estrangeiro, o que gera a impressão, cá, que é um trabalho essencialmente migrante, dessa forma preservando o anonimato, a família, além de aproveitarem o facto de possuírem passaporte europeu e poderem ganhar mais dinheiro noutro país”, disse.

Enfatizando que “hoje em dia 80% do trabalho sexual na Europa é feito dentro de casa”, informou que “a população que se estabelece em Portugal para trabalhar é muito móvel”, num circuito que a faz “a cada duas semanas mudar de cidade ou de país”.

“Estão sempre em circulação porque possuem uma rede de contactos dentro e fora do país muito grande”, acrescentou, vincando “ser simples sair de Portugal e conseguir um contacto noutro lugar e estabelecer-se numa casa ou num apartamento para fazer o seu trabalho e depois voltar”.

Dentro das conclusões do projeto TransR, mencionou, a “maior questão continua a ser os espaços de representação”, reclamando a necessidade de que “mais TST estejam nas organizações a elas associadas e que têm trabalho no terreno, e que a legitimidade da sua voz seja apoiada”.

Segundo Fernanda Belizário, “a APDES, tal como as outras organizações, entende o trabalho sexual como um serviço prestado sob um contrato estabelecido, em locais com condições para o fazer e que é feito de forma voluntária”.

“E é só disto que falamos. Não queremos legitimar nenhuma outra forma”, sustentou a coordenadora do projeto.

O evento que decorrerá quinta-feira na Junta de Freguesia do Bonfim pretende ainda ser de formação para jornalistas, profissionais de saúde, forças de segurança, organizações de intervenção e Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgéneros (LGBT) por a organização entender serem “públicos que carecem de formação específica sobre a comunidade trans”.