De que está à procura ?

franca
Lisboa
Porto
Paris, França
Mundo

Marcelo vai à tomada de posse de Guterres

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, desloca-se na próxima semana a Nova Iorque para assistir à cerimónia de tomada de posse do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que decorre em 18 de junho.

O pedido de autorização, formalidade que a lei impõe, para a deslocação do Presidente da República entre 17 e 20 de junho deu entrada no parlamento na sexta-feira.

António Guterres vai tomar posse para um segundo mandato como secretário-geral da Organização das Nações Unidas no dia 18 de junho.

A sessão plenária da Assembleia Geral das Nações Unidas, para aprovação de uma recomendação do Conselho de Segurança para recondução ao cargo de António Guterres, foi marcada para a partir das 09:00 locais (14:00 na hora de Lisboa).

No mesmo dia e depois de a Assembleia Geral proceder à aprovação e confirmação formal da escolha, António Guterres vai tomar posse como secretário-geral pela segunda vez, para um mandato até final de 2026.

O final do segundo mandato corresponderá a dez anos desde que António Guterres tomou posse como secretário-geral da ONU, em dezembro de 2016.

Na passada terça-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas, com 15 Estados-membros, aprovou por unanimidade um documento que seguiu para a Assembleia Geral, de 193 Estados-membros, para recomendar a recondução de António Guterres no cargo de secretário-geral.

A recandidatura de António Guterres, para que o antigo primeiro-ministro português e antigo Alto Comissário da ONU para os refugiados se disponibilizou no início deste ano, foi oficialmente anunciada pelo Governo português em 24 de fevereiro, com uma carta assinada pelo atual chefe de Governo, António Costa, e endereçada aos dois órgãos da ONU.

Em março, António Guterres divulgou a sua visão para um segundo mandato e em 07 de maio apresentou-se para uma sessão de diálogo informal na Assembleia Geral, onde respondeu a perguntas dos Estados-membros e sociedade civil sobre como pretende dirigir as Nações Unidas nos próximos cinco anos e onde ouviu elogios vindos de representantes dos mais variados