De que está à procura ?

franca
Lisboa
Porto
Paris, França
Desporto

Padres portugueses conquistam terceiro lugar no europeu

A seleção portuguesa alcançou o terceiro lugar no europeu de futsal de padres ao vencer a Eslováquia, não conseguindo revalidar o título conquistado no ano passado mas terminando mais uma participação com “uma classificação honrosa”.

A prova, que decorreu na República Checa e juntou 19 seleções, teve esta quinta-feira o dia decisivo e nas meias-finais os padres lusos perderam nas grandes penalidades frente à Bósnia, por 4-3, falhando o acesso à final.

Na luta pelo último lugar do pódio, diante da Eslováquia, os sacerdotes portugueses, que já conquistaram o troféu por cinco vezes, venceram por 1-0, garantindo, assim, o terceiro lugar.

Na final da competição, a Polónia levou a melhor sobre a Bósnia ao vencer nas grandes penalidades por 3-2 e tornou-se a nova campeã.

Para o padre Joel Brito, acabou por ser “ingrato” ficar em terceiro lugar após a derrota nas grandes penalidades frente à Bósnia.

“Foi um jogo renhido, taco a taco, mas não tivemos sorte nas grandes penalidades”, vincou o sacerdote que integra a equipa nacional desde 2015.

Apesar do resultado, o padre de Viana do Castelo considerou “honroso” o lugar no pódio e garante que a seleção continuará a trabalhar para reconquistar o título, apesar de o nível estar cada vez mais elevado e haver cada vez seleções mais jovens.

Já um dos guarda-redes da seleção, Marco Amaro, realçou a boa exibição de Portugal ao longo do torneio, com 18 golos marcados e apenas um sofrido.

Este padre da diocese de Vila Real, que integra a seleção desde 2012, destacou, ainda assim, a derrota nas meias-finais frente a “uma grande equipa da Bósnia”.

“Pelas expectativas que tínhamos, ficámos desanimados e tristes, mas vamos procurar regressar ainda mais fortes e procurar ganhar novamente”, garantiu.

O técnico da seleção portuguesa, Ricardo Costa, considerou que a sua equipa foi superior na partida frente à Bósnia, apesar do jogo equilibrado.

“Foi pena a derrota nas grandes penalidades porque se chegássemos à final íamos ser campeões europeus, pois éramos melhores que a Polónia”, analisou.

Apesar do “honroso terceiro lugar”, Ricardo Costa expressou que o resultado causou “um sabor amargo”.

O bancário de profissão, que é também treinador do Cabeçudense, equipa de futsal do distrito de Braga e vice-presidente do Famalicão, adiantou que na final a Bósnia foi melhor que os polacos, que apenas venceram nas grandes penalidades.

A equipa nacional junta 15 jogadores, padres em diversas dioceses do país, como Braga, Vila Real, Viana do Castelo, Porto e Lamego.

A principal novidade para a edição de 2020 do europeu que junta 19 seleções é o apoio da Federação Portuguesa de Futebol, com a oferta de equipamentos que levam os padres portugueses a carregarem o símbolo das quinas ao peito.